terça-feira, 13 de outubro de 2009

Porque pessoas que tentam ser engraçadas, não são?

O twitter tem denunciado fraudes humorísticas, esse brilhante meio de comunicação, que a poucas semanas eu repudiava, nos permite conhecer intimamente de maneira superficial personagens que antes existiam de maneira quase divina no nosso pensamento, por exemplo, Rafinha Bastos, era o máximo enquanto era o cara do "nana nenê" do youtube, hoje, deixei de segui-lo por não escrever nada de útil, ou melhor, nada que me faria rir, ou melhor, nada que faria um macaco acéfalo de 4 anos, cujo 3 anos e meio esteve dentro de um buraco sem luz.

Algumas dessas personalidades em que eu espelhava meu humor não passam de blogueiros que tiram suas piadinhas da internet. E que naturalmente são um saco. Com base no próprio material de internet é muito fácil escrever um texto de comedia stand up, uma breve passeada pelas comunidades mais bestas do orkut, um dedo de prosa com aquele amigo seu tirador de onda, umas foliadas no livrinho de anedotas do Ari Toledo, e “voila”, um texto quentinho, pronto para virar hit de youtube.

Rir de uma piada original e com autoria definida esta cada vez mais difícil. Sou muito mais o meu amigo Flavio, com seu problema de dicção, consegue fazer mijar nas calças o mais catedrático dos doutores, e assim vários de meus amigos que me fazem rir com sinceridade.
Tenho percebido o quão sem graça são os humoristas, não sei se é meu humor que mudou, mas que antes era o máximo assistir didi e os trapalhões, contava os segundos para ver a praça é nossa, brigava com meu pai para assistir chaves, e hoje em dia, se consigo achar graça (e muita por sinal) de algumas gafes ao vivo, que com certeza são as melhores coisas para se rir.

Afinal, quem não prefere ver a Lilian Witfibe dar a noticia dos velhinhos contrabandistas do que assistir o “Quem chega La!” do Faustão? Bazinga

2 comentários:

N. Barros disse...

vc ri de mim.
;)
e eu de vc.
somos fodas!

videoblogdofrancis disse...

Eu tenho um certo enjôozinho dessa adoração unânime que o rafinha bastos ganhou de uma hora pra outra, bem como todo mundo ter virado fã de stand-up de uma hora pra outra. O cara não é de todo mal, mas unanimidades sempre me inspiram coisa errada.

Crescer, de fato, torna o mundo menos empolgante, menos engraçado, menos tudo. Isso me deprime pra caramba também.

Bom texto